sábado, 27 de junho de 2009

Amor: hoje, doce

O amor é como o hoje,
Perigoso e sobretudo, irreal;
Vem com farsa de bondade, um rival.

O amor é como nuvem
Carregada sobre as terras no sertão;
Flui com força desvairada, sem perdão.

Seu início faz a gente
Não querer o seu fim;
Vem o tempo e nos convence:
Seu iníco é que é o fim...
E depois é como se nada houvesse!

É, o amor é como um doce,
Doce doce demais.


Este poema é do Prof. Dr. Mário Botelho, retirado do seu livro "Sem resposta"... Enfim, não há resposta mesmo, pois a letra diz tudo... "Doce doce demais"

Um comentário: